Etiqueta da infertilidade

Nas minhas andanças pela internet em busca de algumas informações, encontrei um post na coluna da Cláudia Colucci, sobre a Etiqueta da Infertilidade. Sei que é um tema batido para muitas de vocês, mas eu tinha que falar sobre isso.
Mesmo hoje, estando grávida, ainda ouço comentários desagradáveis sobre a minha infertilidade. Uma das perguntas que mais ouvi, depois da Fertilização e do Positivo, foi: "Mas não descobriram nenhum problema com vocês, né?". E eu fico me perguntando que problema você quer saber? Se eu sou louca e o Leo um psicopata? Chego a rir por dentro quando ouço essa pergunta...kkkkkkk. Gente, não estou falando das minhas amigas leitora aqui do blog, muito pelo contrário, tenho prazer em respondê-las e dividir as experiências. O ruim mesmo é ouvir essa pergunta de pessoas próximas, que durante esses anos de tentativas, me falavam: "Relaxa, é a cabeça", ou essa: "vai ver, Deus não quer que vc engravide..." Sério? Não me diga...
Esse tipo de comentário não ajuda! Pelo contrário, atrapalha, e afasta a pessoa. Eu me afastei de algumas pessoas por causa da infertilidade sim. Pessoas que me fizeram mal, sem saber...porque elas simplesmente não sabem lidar com isso, as pessoas são ignorantes, assim como já fui um dia.
Ninguém é obrigado a saber o que é uma Fertilização in vitro, mas se você não sabe...fica quietinha. Eu sempre faço isso, quando não sei muito sobre um assunto...fico calada, pra não falar besteira!
A autora do blog Bravo, bebê diz ter lido um comentário dizendo para ela nunca contar para ninguém que ela havia feito uma Fiv, pois seu filho poderia sofrer preconceito mais tarde. Oi? A autora foi pesquisar sobre o assunto e disse que a primeira bebê de proveta do Brasil, diz ter sofrido preconceito, mas que ser um bebê de proveta é motivo de orgulho e não de vergonha! Concordo!
Mas onde vamos parar com tanta desinformação?

Não gosto muito de copiar textos, mas esse eu precisava!

O texto foi foi publicado pela National Infertility Association e, depois, reproduzido pelas Amigas do Parto. Estabelece 12 regras de etiqueta:

1 - Não diga a eles para relaxar

Todo mundo conhece alguém que teve problemas para engravidar, mas que finalmente conseguiu logo que ela "relaxou". Casais que conseguem engravidar após alguns meses de "relaxamento" não são inférteis. Por definição, um casal não é diagnosticado como infértil até que tenha tentado sem sucesso engravidar por um ano completo. Comentários como "apenas relaxe" ou "por que vocês não fazem uma viagem" criam ainda mais estresse para o casal infértil, especialmente para a mulher. Ela sente que está fazendo alguma coisa errada, quando, na verdade, há uma boa chance de que haja um problema físico que a esteja impedindo de engravidar.

2 - Não minimize o problema

A falha em conceber um bebê é uma jornada muito dolorosa. Os casais inférteis estão cercados de famílias com crianças. Estes casais vêem seus amigos terem dois ou três filhos, e vêem estas crianças crescerem enquanto voltam para o silêncio de suas casas. Estes casais vêem toda a alegria que uma criança traz para a vida de uma pessoa, e sentem o vazio de não serem capazes de experimentar a mesma alegria.

3 - Não diga que há coisas piores que poderiam acontecer

Nestes mesmos termos, não diga a seus amigos que há coisas piores que poderiam acontecer do que o que eles estão passando. Quem é a autoridade final sobre qual é a "pior" coisa que poderia acontecer a alguém? É passar por um divórcio? Ver alguém querido morrer? Ser estuprada? Perder um emprego?

4 - Não diga que eles não foram feitos para ser pais

Uma das coisas mais cruéis que alguém já me disse foi: ‘Talvez Deus não queira que você seja mãe". Quão inacreditavelmente insensível é insinuar que eu seria uma mãe tão ruim que Deus achou melhor me "esterilizar divinamente". Se Deus estivesse no ramo da esterilização das mulheres no plano divino, você não acha que ele preveniria as gravidezes que terminam em abortos? Ou então não esterilizaria as mulheres que terminam por negligenciar e abusar de seus filhos? Mesmo que você não seja religioso, os comentários do tipo "talvez não seja para ser" não são reconfortantes. A infertilidade é uma condição médica, não uma punição de Deus ou da Mãe Natureza.

5 - Não pergunte porque eles não tentam a FIV (Fertilização in vitro)

As pessoas freqüentemente perguntam, "Por que você não simplesmente tenta a FIV?‘ da mesma maneira casual como perguntariam "Por que você não tenta comprar numa outra loja?" Há muitas razões pelas quais um casal escolheria NÃO ir por este caminho. Aqui estão algumas delas.- A FIV é cara e com baixas possibilidades- A FIV é fisicamente difícil- A FIV traz questões éticas. Um casal que escolha passar pela FIV tem um caminho difícil e caro pela frente, e eles precisam de seu apoio mais do que nunca. Os hormônios não são brincadeira, e o custo financeiro é imenso. Seus amigos não estariam escolhendo esta rota se houvesse um caminho mais fácil, e o fato de estarem dispostos a suportar tanto é mais uma prova do quanto desejam se tornar pais de uma criança. Os hormônios tornarão a mulher mais emotiva, então ofereça seu apoio e mantenha suas perguntas para você.

6 - Não brinque de médico

Uma vez que seus amigos estejam sob os cuidados de um médico, o médico fará inúmeros testes para determinar porque eles não conseguem engravidar. Há muitas razões pelas quais um casal não consegue engravidar. Aqui estão algumas delas:. Trompas de Falópio bloqueadas. Cistos. Endometriose. Baixos níveis hormonais. Baixa contagem de esperma de "formas normais". Baixo nível de progesterona. Baixa contagem de espermatozóides. Baixa Mobilidade dos Espermatozóides. Paredes uterinas finas.

7 - Não seja grosseiro

É horrível que eu tenha que incluir este parágrafo, mas alguns de vocês precisam ouvir isso não faça piadas grosseiras sobre a posição vulnerável de seus amigos. Comentários grosseiros do tipo "Eu doarei o esperma‘ ou ‘Tenha certeza de que o médico usará o seu esperma mesmo para a inseminação‘ não são engraçados, e apenas irritam seus amigos.

8 -Não reclame da sua gravidez

Esta mensagem é para as mulheres grávidas apenas estar ao seu redor já é muito doloroso para suas amigas inférteis. Ver sua barriga crescer é um lembrete constante do que sua amiga não pode ter. A não ser que a mulher com problemas de infertilidade planeje passar o resto de sua vida numa caverna, ela deve encontrar uma maneira de interagir com mulheres grávidas. Compreenda as emoções de sua amiga infértil, e dê a ela a permissão de que precisa para ficar feliz por você, enquanto ela chora por ela mesma. Se ela não conseguir segurar seu bebê recém nascido, dê tempo a ela. Ela não está rejeitando você ou o bebê; ela está apenas tentando trabalhar a dor que sente antes demonstrar a sincera felicidade que sente por você. O fato de que ela esteja disposta a sentir esta dor para celebrar a chegada de seu novo bebê fala muito sobre o quanto a sua amizade significa para ela.

9 - Não os trate como se fossem ignorantes

Por alguma razão, as pessoas parecem pensar que a infertilidade faz com que os casais se tornem irrealistas sobre as responsabilidades de ser pais. Eu não entendo a lógica, mas muitas pessoas me disseram que eu não me importaria muito com um filho se eu soubesse a responsabilidade que estava envolvida em ser mãe. Vamos encarar ninguém pode saber realmente as responsabilidades envolvidas em ser pais até que sejam, eles mesmos, pais. Isto é verdade quer você tenha conseguido conceber após um mês ou dez anos. A quantidade de tempo que você passa esperando por este bebê não influencia na sua percepção de responsabilidade. Mais ainda, as pessoas que passam mais tempo tentando engravidar têm mais tempo para pensar nestas responsabilidades. Elas provavelmente também já estiveram perto de muitos bebês enquanto seus amigos iniciavam suas famílias.

10 - Não insista na idéia de adoção (ainda)

A adoção é uma maneira maravilhosa de casais inférteis se tornarem pais. Entretanto, o casal precisa resolver várias questões antes de estarem prontos para se decidir pela adoção. Antes que eles possam tomar a decisão de amar o "bebê de um estranho", eles precisam primeiro passar pelo luto do bebê que teria os olhos do papai e o nariz da mamãe. Os assistentes sociais que trabalham com adoção reconhecem a importância deste processo de luto. Você precisa, de fato, superar esta perda antes de estar pronto para o processo de adoção. O processo de adoção é muito longo, e não é uma estrada fácil. Por isso, o casal precisa ter certeza de que pode abrir mão da esperança de um filho biológico e que pode amar uma criança adotada. Isto leva tempo, e alguns casais jamais poderão chegar a este ponto. Se seus amigos não puderem amar um bebê que não seja o deles, então a adoção não é a decisão mais acertada para eles, e certamente não é a decisão mais acertada para o bebê.

11 - Deixe que eles saibam que você se importa com eles

A melhor coisa que você pode fazer é mostrar aos seus amigos inférteis que você se preocupa com eles. Mande cartões. Deixe-os chorar em seu ombro. Se eles são religiosos, deixe que eles saibam que você está rezando por eles. Ofereça o mesmo apoio que você ofereceria a um amigo que acabou de perder um ente querido. Apenas o fato de saberem que podem contar com você diminui o peso da jornada e faz com que eles saibam que eles não vão passar por isto sozinhos.

12 - Apóie a decisão deles de parar com os tratamentos

Nenhum casal pode suportar tratamentos de infertilidade para sempre. Em algum ponto, eles vão parar. Esta é uma decisão agonizante para se tomar, e envolve ainda mais dor. Uma vez que o casal tenha tomado a decisão, simplesmente o apoie. Não os encoraje a tentar novamente, e não os desencoraje da adoção, se esta for a opção deles. Uma vez que o casal tenha atingido esta resolução (que seja viver sem filhos ou adotar uma criança), eles poderão finalmente encerrar este capítulo. Não tente abri-lo de novo.

Ufa! Se você chegou até aqui, com certeza entendeu o que eu estava querendo dizer!

Bjs,
Van ;)

4 comentários:

  1. Adorei, devia ter andado com uma dessas grudada na testa enquanto queria engravidar. hahahaha!
    Pior que quem precisa de uma etiqueta para tratar sobre esse assunto, infelizmente é inconveniente em vários outros (experiência própria), parece que tem que olhar pra vida alheia para não ter que encarar a própria vida. Porque não é algo que fala para apoiar, ajudar ou se preocupar, é falar por falar, por xeretar, para ter assunto para a próxima fofoca, sei lá. :roll:
    Ainda bem que vcs relaxaram na FIV, né? Hahahahahahahahahahahhahahaha!! :P

    ResponderExcluir
  2. Vanessa, tenho interesse no assunto, se puder/quiser, gostaria de saber mais sobre isso tudo, alguns pontos sugeridos para próximas postagens:
    - como é essa ética da fiv?
    - um casal pode optar pela fiv sem passar por outros tratamentos menos complexos? Há uma ordem de alternativas?
    - não pode escolher sexo do bb, certo? Vicê já sabe o do seu?
    - como é colhido o óvulo?
    - quantos embriões implantam? E no seu caso?
    - a gravidez decorrente de uma fiv é normal ou requer algum cuidado especial?
    - outras questões gerais sobre uma tratamento de infertilidade.
    Obrigada, boa sorte e felicidades à família!

    ResponderExcluir
  3. Olá, Lorenah! Muito interessante as sugestões! Pode deixar que logo logo preparo um post sobre todas essas questões! Bjs, Van ;)

    ResponderExcluir
  4. Kkkkkkkk. Assino embaixo tudo o que vc escreveu! Eh verdade mesmo! Ainda bem que nós "relaxamos"...kkkkkkkkkk. Bj, Van ;)

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Acompanhe via email

Digite seu endereço de email:

Testei por Você © Copyright 2013. Desenvolvido por Elaine Gaspareto